domingo, janeiro 06, 2008

E o bom tempo nem sempre é anunciado

Um Beijo não espera pela estação das chuvas
Troca-se aquando dos primeiros cirros
E mesmo que a orla dum outro lábio
não esteja a poente
Não o guardemos antes que seja preia-mar.
Completa que fique a rotação do Sol
colhamos a romã
E depositamos cada semente no leito da língua
Seguidamente façamo-nos apicultores, e desposamos devagar a rainha de cada margem
Posteriormente virá a fundação de colónias
Um novo sistema de irrigação
Preferencialmente orientado para Sul
Não descuidarei um leito quente
de espelhadas e ogivais formas
Mas à medida que amadurecem novos frutos
transparentes e verdes
A Rosa dos Ventos não permanece fixa
Ou tráz bons Beijos
Ou leituras pluviosas do tempo.

6 Comments:

Blogger Bichinho said...

Beijo fantasma...

2:13 da tarde  
Blogger FM said...

Bons beijos e... Bons momentos.
Sê Feliz!

12:48 da manhã  
Blogger Francis said...

caneco.

gosto da musica.

2:53 da tarde  
Blogger POETA VAGABUNDO said...

um beijo sobre a cor do teu post...e sobre a lua que me falas...
beijo vagabundo

11:22 da manhã  
Blogger tufa tau said...

abençoados beijos que se dão e se recebem... enfim, abençoados beijos que se trocam.

gostei muito desta semeadura
abraço

9:38 da tarde  
Blogger Aspásia said...

GOSTEI! BEIJO NÃO TEM ESTAÇÃO, DEVE SER PERENE...

12:40 da manhã  

Enviar um comentário

<< Home